governo sao paulo
  • portugues
  • espanhol
  • ingles
  • diminuir texto
  • aumentar texto

Conservação e Restauro de têxteis do acervo do Museu Casa de Portinari: colcha de fios de seda

No primeiro trimestre de 2016, a partir das atividades pré-determinadas no Plano de Conservação do Museu Casa de Portinari, foi dado início às ações de conservação e restauro das peças têxteis da coleção, sendo uma colcha de fios de seda o primeiro item a passar por intervenção nesse período.

A peça estava em exposição no ambiente “Quarto das Irmãs de Portinari”, sobre uma cama patente, desde meados de 2014, quando o Museu foi reaberto ao público.

Apesar de ser submetida periodicamente às ações de higienização, algumas sujidades, irremovíveis por processos manuais, se acumularam no objeto com o passar do tempo. Além disso, a intervenção também foi necessária em virtude de desgastes naturais, já que a mesma foi fabricada entre os anos de 1952 e 1953, de forma industrial – segundo documentação institucional – sendo utilizada pela família por um período considerável, bem como pela instituição, como objeto museológico, após a casa ser transformada em museu no ano de 1970.

A empresa que presta consultoria à coleção, Julio Moraes Conservação e Restauro, ficou responsável por desenvolver todo o processo, que se iniciou pela retirada da peça da área expositiva, seu acondicionamento e documentação específica para o transporte até o laboratório em que as ações seriam desenvolvidas.

Durante o processo, a peça recebeu reforço de bandas de tecido em tule nas laterais e um detalhado cerzimento em todas as áreas que apresentavam rupturas de fios, recuperando a integridade física do objeto, oferecendo um melhor aspecto visual ao observador.

Foi também realizada uma higienização por lavagem, sem ação física, extremamente delicada, com produto especializado e imersão em água especialmente tratada, atenuando consideravelmente manchas sobre o tecido. A secagem também foi controlada, observando-se os procedimentos necessários para que antigas marcas de dobra fossem revertidas.

O processo, dada a complexidade, durou cerca de seis meses. Concluída as ações de intervenção em si, a peça retornou à exposição em vitrine elaborada especialmente para abrigar essa tipologia da coleção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*