• portugues
  • espanhol
  • ingles
  • diminuir texto
  • aumentar texto

Novas etapas do trabalho de pesquisa dos murais de Candido Portinari

A pesquisa das pinturas murais do artista presentes na coleção institucional do Museu Casa de Portinari, prevista no Programa de Acervo, continua em desenvolvimento. Na última visita do Núcleo de Apoio à Pesquisa de Física Aplicada ao Estudo do Patrimônio Artístico e Histórico, liderado pela professora do Instituto de Física da USP, Márcia Rizzutto, as obras Cabeça de Mulata I, Cabeça de Mulata II, Perfil da Nonna, Santo Antônio pregando aos Peixes e São Jorge e o Dragão completaram o conjunto de murais estudados.

Semelhantemente as outras etapas de pesquisa, os murais foram expostos a análises por fluorescência de raios X por dispersão de energia, espectroscopia Raman, técnicas de imageamento digital e medidas colorimétricas. O objetivo é levantar e documentar os materiais e técnicas usados na elaboração das pinturas, informações de grande relevância para o trabalho da equipe técnica.

A análise por raios X fornece informações sobre os elementos químicos presentes no mural; já a análise Raman permite a rápida identificação da composição química de materiais orgânicos ou inorgânicos presentes na obra. As técnicas de imageamento (Luz Visível, Reflectografia de Infravermelho Próximo, Fluorescência Visível com Radiação de Ultravioleta e Luz Rasante) possibilitam o exame e a documentação do estado de conservação, processo de manufatura e detecção de eventuais desenhos subjacentes – trazendo à tona informações do processo de criação do artista. Por fim, a medição colorimétrica revela a caracterização das colorações utilizadas.

Acompanhados pela equipe técnica da instituição, os pesquisadores trabalharam intensamente no início de 2017, aplicando as técnicas e coletando os dados necessários. O processamento e cruzamento das informações demoram bem mais para serem realizados e os resultados iniciais começaram a surgir no princípio do segundo trimestre. As diferentes imagens de cada obra mostram bem os distintos detalhes obtidos. Foi possível também conhecer a paleta de pigmentos nos trabalhos, informação altamente relevante para conservação e eventuais intervenções de restauro.

É importante ressaltar que todas as técnicas têm o fator “não-destrutivo” como característica fundamental para execução do projeto, diferentemente de situações onde é possível extrair amostras físicas, não existe a necessidade de retirada de partes da obra – nem mesmo microscópicas.

Outro fator essencial na realização do projeto é a portabilidade dos equipamentos técnicos – característica inovadora da equipe de pesquisadores, que atende demandas particulares como a das pinturas murais, as quais não poderiam deixar a instituição para serem analisadas em laboratório. Para os próximos meses, o trabalho deve se estender aos tubos de tintas que compõem a coleção do museu.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*